Avançar para o conteúdo principal

Visita a casa: a nossa fuga para o campo

Se a nossa casa é o lugar onde nos devemos sentir mais à-vontade, a história da mudança deste casal que vivia no centro da cidade para o campo longínquo é uma inspiração. Veja de que forma criaram uma casa que mantém o equilíbrio perfeito entre um belo design e as necessidades práticas…

Mulher encostada a um armário em cinzento brilhante numa cozinha pequena que abre para um espaço de refeição com uma mesa de madeira em branco e cadeiras.
Mulher encostada a um armário em cinzento brilhante numa cozinha pequena que abre para um espaço de refeição com uma mesa de madeira em branco e cadeiras.

Encontre um equilíbrio feliz

“Viemos para aqui para encontrar um estilo de vida que nos traga paz”, afirma Rena sobre a sua mudança com o marido Sam para uma quinta norueguesa. “Pode-se gostar de 100 coisas diferentes, mas há valores que são fundamentais. Para nós, é a natureza”. E equilibrar o antigo e o moderno. “A moradia tem 100 anos, mas as renovações modernas tornam-na prática”. Ter uma cozinha aberta para as outras divisões, permite criar um espaço para cozinhar, comer e conviver, tornando assim a tarefa de cozinhar mais social.

Uma mulher olha por uma janela no canto de um quarto transformado num escritório em casa, com uma secretária e uma cadeira giratória.

    Misturar e combinar estilos

    “Para nós, casa é o local onde nos devemos sentir confortáveis, à vontade e inspirados”, afirma Rena. Ao preparar o espaço em conjunto, o casal conseguiu refletir na casa as personalidades de ambos. “Dispositivos eletrónicos modernos (estamos no meio do nada, mas temos uma rede Wi-Fi rápida!), combinados com belos toques de design, um pouco de confusão e alguma criatividade”.

    “A conceção aberta dos nossos espaços da cozinha/de refeição/de trabalho inspira-me. Flui de forma agradável. Temos espaço para fazer muitas atividades e agrada-me que o Sam e eu possamos estar juntos no mesmo espaço a fazer coisas diferentes, sem nos distrairmos um ao outro”.

    Rena

    Confie na sua intuição

    Tomaram a decisão de ficar com a quinta muito rapidamente. “Vi-a uma vez antes de decidirmos ficar com ela”, afirma Rena. “Quando estava a tratar da mudança no nosso apartamento nos Países Baixos, a dar umas coisas, a guardar outras, não tinha as dimensões da quinta. Só podia recorrer à minha memória e às fotografias que estavam na Internet para me orientar. Mas senti que era a decisão certa a tomar e confiei no meu instinto. Decorei divisão a divisão – instalando-me e, depois, tornando-as confortáveis, o que para nós significa poder descontrair. Como a divisão onde temos a televisão, que é um ótimo refúgio ao fim do dia”.

    Organize as suas exposições

    Nem sempre é preciso comprar coisas novas para que a sua casa pareça nova. “Estou sempre a mudar as coisas de sítio, a criar pequenas exposições, a reorganizar os cantos ou a juntar qualquer coisa nova. Isso pode mudar todo o espaço, dando uma nova energia. A nossa casa não está repleta de coisas, mas o que temos exposto tem significado – peças de cerâmica que eu fiz, peças de madeira esculpidas pelo Sam, objetos que encontramos nos nossos passeios juntos…”

    Um candeeiro de pé aceso com um abajur branco, ao lado de um armário de TV em cinzento com uma planta Oxalis e livros expostos em cima.

      Coloque plantas

      “Tínhamos mais de 100 plantas no nosso estúdio nos Países Baixos. Tinha tetos com seis metros de altura e nunca parecia cheio. Encontrar novas casas para as plantas de que cuidei, algumas durante 10 anos, foi a parte mais difícil para mim. Mas algumas viajaram connosco, aquelas que achámos que conseguiriam prosperar neste ambiente. Uso as plantas para suavizar os cantos, como espaços para descontrair sob as folhas e como divisórias”.

      Feitos para durar

      Recorra aos móveis e aos têxteis feitos de materiais naturais para criar uma casa que envelheça graciosamente. Como a madeira, que pode usar todos os dias e, quando ficar gasta, pode ser lixada e envernizada para ter uma nova oportunidade de vida ou como as fibras naturais tecidas em tapetes que são cómodos debaixo dos pés, bons para sentar, além de também serem resistentes.

      “A nossa casa é uma idílica quinta de madeira, tipicamente norueguesa. Para criar um interior acolhedor e aconchegante, utilizámos materiais naturais e macios, objetos feitos à mão, muitas plantas e um toque de design escandinavo, simples e elegante”.

      Rena

      Invista numa boa cama

      “A cama é nova – um presente pelo nosso primeiro aniversário de casamento. Quando mudámos de país, tínhamos tanto para fazer que comprar uma cama decente nunca nos pareceu uma prioridade. Dormíamos numa feita de três camas individuais agrupadas! Agora temos uma cama alta e grande, basta deitarmo-nos nela para descontrair... É tão confortável! Todas as manhãs acordamos a sentir a diferença que faz uma cama confortável”.

      Escolha o seu estilo de decoração

      Como planeia um quarto onde anseia estar? “Antes de termos a nossa verdadeira cama, esta era apenas uma divisão com objetos. Agora está a transformar-se num quarto. Foram necessários apenas alguns detalhes para lhe dar boas vibrações – o espelho grande e o banco aos pés da cama onde nos podemos sentar ou arrumar as coisas em vez de as deixar pelo chão!” afirma Rena.

      Beleza prática

      Não ignore as áreas que podem facilitar a vida do dia a dia. A entrada de Rena e Sam tem uma missão: dar uma boa primeira impressão aos seus hóspedes da Airbnb. O espaço é valioso, por isso, os complementos práticos ajudam, como um espelho montado na parede para poupar espaço no chão. Assim como um banco para calçar os sapatos (e para os arrumar cuidadosamente por baixo) e uma fila bastante comprida de cabides com ganchos, para que todos os casacos tenham o seu lugar.

      Rena e Sam sentados juntos no sofá, na sua quinta norueguesa.

        Adoramos quando os nossos clientes dão asas à imaginação com os nossos produtos. Por isso, força! No entanto, lembre-se de que a alteração ou a modificação de produtos IKEA de forma a que estes já não possam ser revendidos ou utilizados para a sua finalidade original significa que perderá as garantias comerciais da IKEA e o seu direito de devolução dos produtos.

        Realizado por
        Designer de interiores: Ashlyn Gibson
        Fotografia: Benjamin Edwards
        Art Director: Jules Rogers
        Texto: Helen Bazuaye
        Siga Rena e Sam em @studiohearhear @theendeavorist